Corpo sobre meu corpo Corpo sobre meu corpo

NADA TE PEÇO, NADA. VISITO, SIMPLESMENTE, O TEU CORPO DE CINZA. FALO-LHE DE MIM, ENTREGO-TE O MEU DESTINO. E DELE ME LIBERTO SÓ DE PERGUNTAR: QUE ME DARIAS SE EU TE PEDISSE A PAZ E SOUBESSES DE COMO A QUERO REVESTIDA POR UMA CROSTA DE SOL EM LIBERDADE?

Fragmento do poema Paz de Casimiro de Abreu.

Oil Painting do armênio Tigran Tsitoghdzyan via Fubiz.

Adicionar novo comentário