35 Conselhos Pra Inspirar A Vida 35 Conselhos Pra Inspirar A Vida

A internet como uma espécie de tecido de nossa existência, desvela dinâmicas num espaço contínuo da vida offline. Encontramos nela, uma exuberância multidiciplinar que é capaz de transitar por toda cultura, desde os conhecimentos mais banais até os saberes eruditos.

O Tiago Mattos, da Escola de atividades criativas Perestroika, fez uma compilação de “mensagens encontradas em perfis do Facebook, Blogs e Tumblrs que servem de inspiração” pra vida.

É uma de conexão de conteúdos, de highlights super instigantes, que sequestram nossos sentimentos, e nos fazem perceber como os imaginários se encontram em construções que vão delineando e constituindo identidades. Veja abaixo:

Foto: Andy Stott/ Numb

Imperitos Na Arte De Amar? Vertigem Offline Imperitos Na Arte De Amar? Vertigem Offline

Flanando pela web, encontrei no Blog das 3o pessoas, o texto Thoothpaste Kisses que é uma espécie de apologia do mundo offline.

O autor, de forma lúdica e romântica, faz lembrar de como a internet pode ter o efeito paradoxal de aproximar as pessoas, mas ao mesmo tempo produzir um distanciamento da vida.

Será que as mídias sociais inventaram um novo tipo de subjetividade nos relacionamentos? “Estamos tão Ultra conectados em e-mails, mensagens de texto e de voz; cutucadas (coisa insuportável), prods e tuites; alertas e comentários; links, tags e posts; fotos e vídeos; sites, blogs e vlogs; buscas, downloads, uploads, arquivos e pastas; feeds e filtros; murais, widgets, clounds; nomes de usuário, senhas e códigos de acesso; pop-ups e banners; rigtones e vibrações; aplicativos e check-in… Ufa! Não é hora de fazer um check-out?” Estas indagações merecem ser melhor metabolizadas, mas isto eu vou deixar pra um próximo post!? : )

Vamos pra este lindo mergulho no offline. Por Rodrigo Artur:

Mime a sua amada!

Com todo tipo esdrúxulo de carinho, que sejam as ridículas cartas de amor, o recados em Imessages, whatsapp e ICQs. E-mails old fashions, telefonemas acalorados com sorrisos fáceis brilhantes com o sol, daqueles de fazer inveja a produtores de comerciais de pasta de dentes. Que seja em horários improváveis, desde que escancarem a sua felicidade dependente da existência daquele outro. Quando ela ligar, mude a voz, use aquele timbre que somente os apaixonados decifram. Dedique músicas, monte coletâneas, eleja conjuntamente a trilha sonora do romance. Use nomes em diminutivos, a chame de amor, deixe claro o quanto ela é especial.

Diga breguices…que a AMA!

Quando encontrá-la embale, dê colo, beije, beije, beije como se fosse o último, morda, chupe, deixe marcas pelo seu corpo, afinal não é isso que os amantes fervorosos fazem, vá além, esqueça o sono, extrapole, não durma e nem a deixe dormir, não economize saliva e outros líquidos corporais. Não durma, nem depois do coito, conte histórias engraçadas, zombe dos mal amados, dos anteriores, sim, daqueles imperitos na arte do amar.

Faça de tudo para que seja DIVINO!

Foto de Eva Besnyö via don’t touch my moleskine

“O Que É Ser Original E Criativo Na Internet?” “O Que É Ser Original E Criativo Na Internet?”

O que é ser original e criativo na internet?

Quando penso sobre o tema, sou inundada por uma série de associações implícitas à essa angustia pós-moderna multi-referencial, em que abordagens criativas, autorais e inéditas são cada vez mais difíceis de serem encontradas.

Mais do que isso é preciso lembrar que a vanguarda criativa foi substituída pela figura do curador, que através da perspectiva de seu repertório e de suas referências, é capaz de selecionar conteúdos que façam pontes entre o passado e o presente que vestem o futuro (Cultura Remix); que esteja atento ao viés da pluralidade, isto é, consiga desfocar o nosso olhar de um território único; que busque um estilo pulsional de proporcionar desmesuras, do sem limites; mais do que a supremacia da palavra a emoção estética (como Nietzsche ); capaz de decodificar esse jogo de projeções intercruzadas, em que o que importa é expressar individualidades e gerar experiências.

Enfim, a soma das características citadas acima é que possibilita um contexto que germine originalidade e criatividade e aonde, consequentemente estará expressa a personalidade do autor.

Importante não esquecermos do óbvio: a internet, como a vida, é um eterno “beta” (constante desenvolvimento e constante melhoria) em que todo mundo continua contribuindo.

Esta questão foi abordada pelo You Pix Chat desta semana. Selecionei fragmentos de respostas dos depoimentos de alguns especialistas da websfera: afinal, o que é ser original e criativo na internet? Na opinião de Mentor Muniz Neto, Fabrício Carpinejar, Daniela Arraes e Carlos Merigo.

Num mundo em que todos nós somos bombardeados por informação, onde essa informação é um ativo, ser capaz de hierarquizar nossa mensagem pro topo da pirâmide, mesmo que por algumas horas, é pra mim a maior prova de originalidade e criatividade. É atrás disso que corro todos os dias.
(Mentor Muniz Neto)

É comparar mais do que perguntar.
É se emocionar mais do que entender.
É ouvir mais do que pensar.

(Fabricio Carpinejar)

Ser original e criativo na internet é cuidar do seu projeto, do seu site, do seu produto de um jeito tão apaixonado e próximo que não sobre espaço pra que alguém venha pegar sua ideia e transformá-la numa coisa ainda melhor. Afinal, você sempre pode fazer melhor. É também saber pra quem você fala, como você fala, onde quer chegar. Porque nada pior do que ser apaixonado por alguma coisa e vê-la de mãos dadas com outro –nesse caso, TANTOS outros.
(Daniela Arrais)

…eu acredito em personalidade. Existe competição em todas as áreas, milhares de pessoas criando e reinventando, mas se tem algo que ninguém pode ter ou copiar é a sua personalidade. Se você se colocar em cada aspecto do seu projeto, ele será diferente de todos os outros. E claro, isso só acontecerá se você for apaixonado pela sua ideia. Criatividade e originalidade começam com trabalho árduo, personalidade e paixão. Pode parecer uma visão romântica, mas essa é a maneira mais fácil, saudável e divertida de se destacar da multidão.
(Carlos Merigo)

Leiam o texto na íntegra no YOUPIX

Imagem: Bryan Lewis Saunders