“About upgrading our own humanity”: South by SouthWest 2013 “About upgrading our own humanity”: South by SouthWest 2013

Com a tagline Music, film, interactive, o festival SXSW (abreviação de South by South West) se tornou uma referência cultural obrigatória em termos de interatividade e suas tecnologias emergentes. O mega evento, que acontece em Austin (Texas) entre 8 e 17 de março, é pleno de conferências, painéis, cursos, e lançamentos relevantes.

Além deste fascinante cenário, o SXSW anunciou a exibição de 109 filmes (68 cineastas “iniciantes”, 69 estreias mundiais, 14 estréias na América do Norte e cinco Premieres nos EUA). Para completar, o line up do festival vem com mais de 2500 bandas se apresentando em mais de 100 espaços da cidade. Novas tendências da música independente e nomes do mainstream como Iggy & The Stooges, Dave Grohl & The Sound City Players, The Flaming Lips, Green Day, Depeche Mode, Justin Timberlake, Kendrick Lamar, Nick Cave & The Bad Seeds with the Yeah Yeah Yeahs, Vampire Weekend, entre tantos, farão suas performances nesta edição do evento.

Como é difícil se orientar nisso tudo, o Spotify buscou a curadoria de alguns especialistas em música como Pitchfork , Boiler Room, NME e AllHipHop.com, que fizeram suas playlists de sugestões de bandas e artistas que devem ser apreciados no festival.

Veja abaixo:

SXSW Picks:

Pitchfork Selects:

Boiler Room Selects:

NME Selects:

AllHipHop.com Picks:

Uma dica básica: quem, certamente, fará uma cobertura bem legal do evento é o Update or Die.

Irrupção de epifanias Irrupção de epifanias

Pra inspirar a semana! ♥

Sigur Rós – Valtari from Sigur Rós Valtari Mystery Films on Vimeo.

A banda islandesa Sigur Rós, de Jónsi, compartilhou o 14º vídeo de seu “Valtari Mystery Film Experiment“.

A experiência desafia dezenas de realizadores a interpretar as canções do último álbum da banda com orçamentos limitados. O diretor sueco Christian Larson, bailarino de formação, é o mais recente colaborador do projeto, com um incrível vídeo feito em parceria com o coreógrafo Sidi Larbi Cherkaoui.

Um trabalho mágico, em que os bailarinos James O’Hara e Nicola Leahey se reconhecem numa progressão de movimentos sensuais. Uma irrupção de epifanias que se fundem com as melodias glaciares de “Ekki Múkk”, “Valtari”, “Rembihnútur” e “Varúð”.

Rockstars Exposed Rockstars Exposed

The Moment After The Show é um projeto do fotógrafo suiço Matthias Willi e do jornalista Olivier Joliat. A idéia é capturar os momentos adrenalizados do backstage de estrelas do rock, logo após suas apresentações.

O livro é um registro fascinante, de mais de 100 bandas em 144 páginas de fotografias, que buscam representar o impacto físico e emocional do artista, logo após o término dos shows.

Vejam abaixo:

Joey Castillo and Josh Homme (Queens of the Stone Age)

Iggy Pop

Gnarls Barkley – Danger Mouse and Cee-Lo Gre

Mike Patton (Fantoma/Faith No MOre)

Jesse Hughes (Eagles of Death Metal)

Chino Moreno (Deftones)

Robert Trujillo (Metallica)

Els Pynoo (Vive La Fête)

Juliette Lewis (The Licks)

O livro pode ser encomendado aqui.

P.S. So Many Ways To Love The Black Keys P.S. So Many Ways To Love The Black Keys

Dan Auerbach e Patrick Carney fazem do “Black Keys” um dos maiores nomes do rock atual. A dupla produz discos impecáveis, que esbanjam blues, em álbuns em que cada faixa arranca um novo riff mais eletrizante que o anterior. A voz de Auerbach, “predominantemente em registo de falsete, permite sobreposições de sonoridades, tanto no domínio de Jimmy Hendrix, como em baladas com batidas mais espaçadas, balanceadas, trémulo melancólico na voz e peculiares apontamentos na guitarra vintage”, que tornam sua performances energéticas e emocionantes.

Além disso, os cartazes dos shows são bárbaros, acompanhando esteticamente o aprimoramento sonoro da banda.

Ouçam e vejam abaixo: (creio que “Brothers” tenha sido um dos álbuns que eu mais ouvi entre 2010 e 2011).

Achei a dica sobre os pôsters na Noize.

Leia aqui a discografia comentada da banda.

Old School Mix Tapes- Sobreposição De Sonoridades Lindas Old School Mix Tapes- Sobreposição De Sonoridades Lindas

Que tal uma fita de super bom gosto, pra fluir os dias e a vida?

Vejam o repertório:

O Verde é Maravilha – Badi Assad
Basin Street Blues – Dave Brubeck
Quartet Adam’s Apple – Wayne Shorter
Blackjack – Donald Byrd
Everyday People – Sly & The Family Stone
Sambop – Cannonball Adderley
We’re a winner – Curtis Mayfield
High Head Blues – The Black Crowes
Ease Back – Grant Green
She’s a Rainbow – The Rolling Stones
Ain’t That Lovin’ You – Eric Clapton
Valdez In The Country – Cold Blood
Wait Until Tomorrow – Jimi Hendrix
Smokey Joe’s La La – Googie Rene Combo
All I Want – Pete Belasco
Run eyed blues – Ben Harper
Mercy Mercy – Cannonball Adderley
That’s The Way – Led Zeppelin
Janela – Nina Becker
Enquanto Isso – Marisa Monte
Sun King – The Beatles

Então é só fazer o download de “Super Fine”.

O Fita Cassete é um blog de compilações pessoais de Marcelo Quinan, que dá vontade de voltar no passado e gravar as fitas K7 pra dar de presente para os amigos. ♥

Foto: Reprodução

Voz e guitarra, palavra e som Voz e guitarra, palavra e som

A voz é de Ana Deus, a guitarra é de Alexandre Soares. Os dois, são os Osso Vaidoso, um projeto musical alternativo que é também um projeto poético, uma ideia musicada sobre as palavras de Regina Guimarães, Alberto Pimenta e Valter Hugo Mãe, entre outros.

“Com o disco de estreia, Animal, com selo da Optimus Discos, os Osso Vaidoso ganharam corpo e entraram diretamente para um lugar de destaque na música portuguesa”.

Vejam, que lindo:

Encontrei no bodyspace.

Back in 2000 – and dj, play a song for the lovers, tonight Back in 2000 – and dj, play a song for the lovers, tonight

Richard Ashcroft é o grande vocalista da banda “The Verve”, que com seus três álbuns ajudou a definir, juntamente com Oasis, Radiohead e Blur, o movimento Britpop que se estabeleceu no Reino Unido em meados da década de 90.

“A Song for the Lovers”, do ótimo disco “Alone With Everybody”, foi um megahit de 2000, que marcou a sua carreira solo. A canção foi inspirada no Joy Division, e seu título em um poema de Charles Bukowski.

Ashcroft é uma figura “shamânica” das clássicas estrelas do rock, que faz despertar nossos sentidos.

Wu Lyf – Pegada Densa E Irresistível Pra Iniciar A Semana Wu Lyf – Pegada Densa E Irresistível Pra Iniciar A Semana

Wu Lyf (se diz Woo Life, “World Unite Lucifer Youth Foundation”) é uma banda de Manchester, Inglaterra que gerou buzz em 2011, tanto pela sua sonoridade dark, quanto pelo mistério ao seu redor. Os caras rejeitavam entrevistas, e ofereciam pouquíssimas informações sobre seus integrantes. Aos poucos foram se desvelando, e se definiram através de um neologismo de classificação musical “heavy-pop”, que de pop não tem nada.

A banda (formada por Ellery Roberts, vocais, Joe Manning, bateria e piano, Evans Kati, vocais, guitarra e harmonica, e Tom McClung, vocais, baixo e guitarra), faz um som sujo, com vocal rouco que torna as letras difíceis de serem entendidas. A melodia tem uma pegada irresistível que vai te arrastando pra um denso e crescente envolvimento. Uma visceralidade romântica que te coloca na cena e te instiga a contestar o sistema, a burguesia e o ter. Enfim um experimentalismo sonoro místico, que me/te leva pra onde o Wu Lyf vai. ♥

Apaixonem-se:

Apenas, pra elucidar, a banda tem um álbum lançado, chamado Go Tell Fire to the Mountain, de 2011.