Estilo além das tendências Estilo além das tendências

O grande lema da contracultura “Faça amor não faça guerra”, influenciou ditando moda. Woodstock inspirou milhares de pessoas, a adotar o visual hippie como forma de comportamento, contestação e atitude. Essas referências, mais do que moda, já fazem parte da história dos costumes.

Não tem como não se apaixonar por esse estilo neo-hippie, né?

Fotos: Reprodução.

TESS TESS

TESS é a nova banda do músico Daniel Tessler (ex-Efervescentes), que conta também com Saymond Roos (Reverso Revolver), Rodrigo Fischmann (Dingo Bells) e João Augusto (Stratopumas).

O disco da Banda, que está pra sair, leva o nome do grupo e foi gravado entre Porto Alegre e Gramado, com produção e mixagem de Vini Tonello, e masterizado no lendário Abbey Road Studios, em Londres. Tudo com direção artística e A&R de Raul Albornoz. Segundo Daniel, “É um disco de rock, mas é um disco que é uma declaração de amor”. A mais forte influência da TESS vem dos Beatles e de referências de bandas como The Killers, Supergrass, Arctic Monkeys, Miles Kane.

Encontrei no Debora Tessler Conteúdo essa tradução de identidade do Daniel que diz que ele “gosta das coisas transbordando: do copo de cerveja a um choro sem explicação, o importante é que transborde. Musicalmente, adora coisas crocantes, como soul, disco, rock e jazz, mas acha que o que vale mesmo é o primeiro take”. ♡

Tem uma entrevista bacana dele na Noize.

The XX The XX


I couldn’t spill my heart
My eyes gleam looking in from the dark
I walk out in stormy weather
Hold my words, keep us together
Steady walking but bound to trip
Should release but just tightens my grip

Night time”

Reencontrei no MTHRFNKR

Amor e Dor (clichê tão simples?) Amor e Dor (clichê tão simples?)

Um homem e uma mulher, aprisionados em seu desejo e dependência mútua: este é o tema do terceiro filme da série experimental do Sigur Rós, que se uniu ao diretor Alma Har’el para produzir esse interessante curta. “Fjögur piano” é a faixa de encerramento de seu último álbum Valtari.

Um clima onírico que retrata a adição ao outro, a vulnerabilidade e o vazio da perda da perspectiva de si próprio nessa relação de codependência amorosa.